Atentado contra árvores no centro de Manaus

Vandre Fonseca
16.08.2011

Árvore morta por envenamento no Centro de Manaus. Crédito: Divulgação/ Semmas

Manaus, AM – Ao mesmo tempo em que Manaus sofre com uma onda de calor, com temperaturas acima dos 36 graus centígrados, há quem parece não se preocupar com os efeitos positivos que uma boa árvore tem para a cidade. E justamente em uma das áreas com maior movimento de pedestres, onde uma sombra é sempre necessária, na Avenida Eduardo Ribeiro, no Centro da cidade, árvores são envenenadas por vândalos ainda não identificados.

Pelo menos quatro árvores na avenida, uma importante área comercial, podem ter sido envenenadas, segundo indícios encontrados por técnicos da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas). Uma destas árvores, um jambeiro, já está morto. As outras ainda apresentam parte da folhagem verde, mas também devem ser substituídas pela prefeitura.

Furo feito no caule para inserir o veneno. Crédito: Divulgação/ Semmas

As árvores são ficus, oitizeiros (Licania tomentosa) e um jambeiro (Syzygium malaccense). “Os dois ficus e o oiti ainda têm folhas verdes, o que é um indicativo de que existe funcionamento vegetativo na árvore, mas o jambeiro já está perdido”, afirma a chefe do setor de Corte e Poda da Semmas, Eliane Souza, que fez a vistoria nas árvores. A secretaria não tem informação de quando as árvores foram plantadas na área, mas são indivíduos grandes que estão ali certamente há décadas.

Nas árvores foram encontradas perfurações que teriam sido usadas para a aplicação de herbicida. Alguns destes furos estavam fechados com isopor. Foram colhidas amostras para exames em laboratório para comprovar o envenenamento e o produto utilizado. Foram solicitadas também imagens de câmeras de monitoramento da Secretaria Estadual de Segurança Pública, para ajudar a identificar os responsáveis.

De acordo com o secretário municipal de Meio Ambiente, Marcelo Dutra, estas árvores têm importância paisagística para o centro de Manaus. O ato de vandalismo, de acordo com ele, não pode ficar impune. O relatório técnico da Diretoria de Arborização, Paisagismo e Áreas Protegidas da Semmas será encaminhado à Delegacia do Meio ambiente. De acordo com a secretaria, os responsáveis pelo ato podem receber multa e até serem presos, se descobertos.

Leia mais:
Olha que coisa mais… feia
No meio do caminho havia outra árvore
Blecaute voltou com tudo no Carnaval
Aves, árvores e a Ecologia Urbana



Tags: ,




Manaus: estádio da copa pode gerar energia solar de sobra

Vandre Fonseca
21.03.2011

Estádio Arena Amazônica, ilustração: divulgação

Os engenheiros responsáveis pela construção da Arena Amazônia, que vai abrigar os jogos da Copa de 2014 no Amazonas, estudam formas de uso da luz solar para produção de energia elétrica. As alternativas foram apresentadas no Fórum Estadual de Mudanças Climáticas, que realizou a primeira reunião do ano na última sexta-feira, 18 de março. O comitê responsável pelos projetos relacionados ao mundial pretende utilizar energia solar em outras obras, como centros de treinamento e estações do monotrilho, que poderá ser construído na cidade. O governo alemão está financiando os 100 mil euros para a realização dos estudos, que devem ser entregues em julho. Outros três estádios da copa também foram escolhidos para este programa de cooperação, entre eles o Mineirão, que já tem um projeto definido. A Arena Amazônia deverá consumir 6MW, durante o pico, e a previsão é que possa produzir 1MW. A intenção é que a energia produzida durante o dia seja vendida para a concessionária de eletricidade, para compensar o consumo noturno. A quantidade prevista é suficiente para abastecer entre 1,5 e 2 mil residências do entorno do estádio, que têm consumo médio entre 30 e 60 KW/ hora.

 

Vista interna da Arena, ilustração: divulgação

Inicialmente a intenção é aproveitar 40% da cobertura do estádio de Manaus para a instalação de painéis solares. Antes, é preciso superar as dificuldades técnicas. A estrutura foi projetada para suportar entre 0,4 e 0,9 quilos por metro quadrado e placas solares convencionais pesam entre 80 e 90 quilos por metro quadrado. Mudanças no projeto significam aumentos de custo e de material que poderiam inviabilizar a ideia. Outro problema é que o projeto original usa uma película translúcida. A instalação dos painéis solares comprometeria a passagem de luz e o efeito visual desejado pelos arquitetos.

Estes problemas podem ser resolvidos com a utilização de novas tecnologias solares e da distribuição estratégica das placas, preservando a beleza do projeto. Podem ser usados como suporte, por exemplo, os anéis que vão sustentar a iluminação do estádio ou trechos da estrutura metálica de sustentação. Ainda há outras duas possibilidades: utilizar o entorno da arena ou o pódio, praça que dá acesso ao estádio, onde as placas solares teriam o uso extra de fornecer sombra aos pedestres.



Tags: ,




Manaus ganha mapa para bicicletas

Vandre Fonseca
08.10.2010

Movimento Pedala Manaus quer incentivar o uso das "magrelas", foto: Fidel Ramos

A capital do Amazonas não conta com ciclovias, mas uma iniciativa facilita um pouco a vida de quem pretende pedalar pela cidade. O movimento Pedala Manaus, que incentiva o uso de bicicletas como meio de transporte na capital do Amazonas, está construindo um mapa coletivo de rotas para bicicletas na cidade. Estão sendo recebidas informações e sugestões de ciclistas, para mostrar caminhos, dificuldades e perigos e o tempo do percurso para quem usa bicicletas. É uma ajuda para quem busca alternativas em uma cidade com sérios problemas no trânsito e no transporte coletivo.

De acordo com o biólogo Ricardo Braga-Neto , idealizador do mapa, a ideia é difundir a bicicleta como meio de transporte na cidade e mostrar os melhores caminhos para quem optar pelos pedais. Por enquanto, o próprio Ricardo atualiza os dados no Google Maps. E ele já mapeou 21 rotas de Manaus, entre as vias mais movimentadas da cidade, onde o visitante com apenas um clique pode conhecer um pouco sobre o que vai enfrentar no trajeto.

Segundo Ricardo, já foram mais de 1500 acessos, mas ele lamenta que a maioria dos visitantes seja de outras cidades. Ele reconhece que o mapa ainda é rudimentar. “Vou me aprimorar nas ferramentas, para melhorar a apresentação”, afirma. O ciclista lembra ainda que o Movimento Pedala Manaus discute com a prefeitura da cidade um projeto de implantação de ciclovias na cidade, para tornar as bicicletas uma alternativa ao deficiente transporte público de Manaus

Veja o mapa abaixo. O manauense pode colaborar com informações, fotos e vídeos, que devem ser enviadas pelo e-mail pedalamanaus@gmail.com .


Visualizar Mapa coletivo de rotas ciclísticas em Manaus em um mapa maior



Tags: ,