Atentado contra árvores no centro de Manaus

Vandre Fonseca
16.08.2011

Árvore morta por envenamento no Centro de Manaus. Crédito: Divulgação/ Semmas

Manaus, AM – Ao mesmo tempo em que Manaus sofre com uma onda de calor, com temperaturas acima dos 36 graus centígrados, há quem parece não se preocupar com os efeitos positivos que uma boa árvore tem para a cidade. E justamente em uma das áreas com maior movimento de pedestres, onde uma sombra é sempre necessária, na Avenida Eduardo Ribeiro, no Centro da cidade, árvores são envenenadas por vândalos ainda não identificados.

Pelo menos quatro árvores na avenida, uma importante área comercial, podem ter sido envenenadas, segundo indícios encontrados por técnicos da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas). Uma destas árvores, um jambeiro, já está morto. As outras ainda apresentam parte da folhagem verde, mas também devem ser substituídas pela prefeitura.

Furo feito no caule para inserir o veneno. Crédito: Divulgação/ Semmas

As árvores são ficus, oitizeiros (Licania tomentosa) e um jambeiro (Syzygium malaccense). “Os dois ficus e o oiti ainda têm folhas verdes, o que é um indicativo de que existe funcionamento vegetativo na árvore, mas o jambeiro já está perdido”, afirma a chefe do setor de Corte e Poda da Semmas, Eliane Souza, que fez a vistoria nas árvores. A secretaria não tem informação de quando as árvores foram plantadas na área, mas são indivíduos grandes que estão ali certamente há décadas.

Nas árvores foram encontradas perfurações que teriam sido usadas para a aplicação de herbicida. Alguns destes furos estavam fechados com isopor. Foram colhidas amostras para exames em laboratório para comprovar o envenenamento e o produto utilizado. Foram solicitadas também imagens de câmeras de monitoramento da Secretaria Estadual de Segurança Pública, para ajudar a identificar os responsáveis.

De acordo com o secretário municipal de Meio Ambiente, Marcelo Dutra, estas árvores têm importância paisagística para o centro de Manaus. O ato de vandalismo, de acordo com ele, não pode ficar impune. O relatório técnico da Diretoria de Arborização, Paisagismo e Áreas Protegidas da Semmas será encaminhado à Delegacia do Meio ambiente. De acordo com a secretaria, os responsáveis pelo ato podem receber multa e até serem presos, se descobertos.

Leia mais:
Olha que coisa mais… feia
No meio do caminho havia outra árvore
Blecaute voltou com tudo no Carnaval
Aves, árvores e a Ecologia Urbana



Tags: ,




Olha que coisa mais … feia

Magda von Brixen
12.07.2011

Perplexidade. Tenho um filho indigenista vivendo em contato visceral com a Amazônia, e foi através dele que o Zé Castanheira entrou na minha casa um dia depois de sua morte. Vendo e ouvindo os dez minutos da sua fala mansa no TED x Amazônia – mais um Zé, brasileiro e vigoroso, contando sua emocionante história – me quedei muda. Assisti mais uma vez: o exemplo contundente de sustentabilidade, possível lá na floresta e a todos nós, sendo transmitido em palavras simples, sem demagogia ou xiitismo.

Ele mesmo transformava sua fonte – a castanheira viva – em óleo e outros derivados, mas preservando-a como a um caríssimo membro da sua família. “No meu próprio lote estou industrializando… Eu faço óleo de castanha de primeira qualidade, rico em selênio, bom pra todo tipo de comida, fritura, e se usa como óleo de oliva na salada. Do resíduo, que chama bagaço, se faz sorvete, biscoito, o que sua imaginação der pra comer… Isso já tá indo pro mercado aos poucos, o pessoal da universidade, da CPT (Comissão Pastoral da Terra) está me comprando direto este óleo, que além de ser bom pra comer é ótimo remédio, como vocês sabem: o selênio combate o câncer, agregando valor à floresta.”

Emocionante assisti-lo, dramático saber que pessoas assim estão sendo eliminadas sumariamente: simples, honesto, verdadeiro, espontâneo, calcado no script natural de quem vive coerente com o que diz, por isso mesmo flecha certeira em nossos corações e mentes. “Se o negócio tá preto, eu vou lá e tiro o cipó, faço dez cestos num dia, faço R$ 100,00; faço vinte cestos, R$ 200,00 (…) e ela (a floresta) tá lá, continua me dando, no dia que eu quero vou lá e apanho.”

Zé fazia o dever de casa, da floresta, do planeta: desenvolvimento sustentável, tema da grande conferência mundial que vai acontecer agorinha mesmo por aqui, na urbe carioca, a Rio+20, em 2012. Zé não vai mais fazer cestos, ouvir passarinhos, o balanço do vento nas castanheiras ou o estridente guincho da motosserra que cala a voz da floresta. “Ela é viável em pé. É uma coisa que você não agoa, você não bota adubo, você só tem o trabalho de ir buscar o que ela produz.”

Você que me lê, já ouviu o barulho de uma motosserra abaixo da sua janela e, em poucos segundos, o estrondo seco de uma árvore caindo? Pois é, eu já. “… Lá na minha pequena propriedade eu produzo óleo de castanha, manteiga de cupuaçu, polpa de cupuaçu, faço artesanato de cipó e em madeira. Agora, eu aproveito as madeiras que a natureza derruba, que a natureza põe no chão pra mim. E no lugar daquela que caiu, eu planto outra. Então, a floresta é sustentável, duas vezes mais em pé do que derrubada. Que quando você derruba, você só tem uma vez; e quando você deixa ela em pé, você tem ela para sempre.”

E a voz mansa do Zé acordou este barulho aqui dentro, reverberando uma memória recente – incomensurável distância entre os dois fatos em si, sua magnitude e consequências envolvidas; mas, em comum, a mesma insanidade voraz humana que não olha à frente nem para os lados, só o imediatismo de alguns poucos interesses espúrios.

16 de fevereiro de 2011, Ipanema, Rio de Janeiro.

O apartamento em que eu estava então morando na Rua Joaquim Nabuco tinha uma vista verde lindíssima de amendoeiras e uma outra espécie de árvore de copa imensa, que fazem parte do conhecido ‘corredor’ verde dos fundos da Joaquim Nabuco – ele se estende do Colégio São Paulo, no início da Av. Vieira Souto, ao prédio nº 240 da Rua Francisco Otaviano. O charme dos prédios desse local são justamente os apartamentos de fundos, pela vista verde que os separa do mar. Viveiro rico de bem-te-vis e outras tantas espécies de pássaros, famílias inteiras de micos ali vivem e se alimentam das sementes dessas árvores, produzindo uma festa diária aos olhos e ouvidos. Tudo isso em pleno bairro de Ipanema, sempre tão cantado apenas pela beleza e poesia da sua praia, das suas garotas.

Pois estava eu às 10h trabalhando no computador, de frente para este oásis, quando ouvi um barulho insistente de motosserra – achei que era mais uma obra na vizinhança. De repente, ouvi também um estrondo fortíssimo de árvore abatida e então pulei pra janela: uma das copas frondosas já era uma clareira para as janelas dos prédios nº 6 e nº 8 da Av. Vieira Souto, este último o abatedor das árvores, pois algumas delas estão no seu terreno de fundos. Da minha janela mesmo falei com um dos operários, que disse ser de uma empresa particular contratada para ‘limpar’ o excesso das copas etc. etc. Só que a ‘limpeza’ estava sendo feita cortando já a metade dos troncos de duas árvores – enquanto eu telefonava a amigos para saber o que fazer RÁPIDO, falando com o operário e, ao mesmo tempo, com meu porteiro pelo interfone, a motosserra era mais rápida ainda e já abatia a segunda copa. Os micos saltavam guinchando pra tudo que é canto e as aves voavam ruidosamente, com os bem-te-vis fazendo altos e inúteis protestos contra os céus. Vi, na minha frente, o desenho em microcosmo do que vai acontecendo por nossas matas e florestas. Impassíveis e com técnicas bem rudimentares, os operários iam em frente, balançando perigosamente em cordas que pendiam dos próprios galhos grossos que iam sendo abatidos.

No meu prédio ninguém sabia nem fazia nada, do porteiro ao síndico, que disse mesmo nada poder fazer porque as árvores pertenciam ao prédio vizinho. Não havia nem como aguardar a imprensa, porque a motosserra continuava eficiente seu trabalho a cada segundo e o resultado era irreversível!…

Telefonando para todas as instituições ligadas ao assunto, acabei descobrindo que havia o que fazer sim: acionei a PATRULHA AMBIENTAL, serviço do setor de Parques e Jardins da Prefeitura, e o caminho foi ágil e eficiente após dar o histórico e endereço do caso. Me atendeu Janaína, que rapidamente acionou um ‘patrulheiro’ já em trânsito ali por perto, Alexandre, que chegou com uma escolta policial e assim teve acesso aos porteiros e ao devido prédio depois. Facultei meu endereço para que ele pudesse fotografar o ‘abatedouro’ (antes fui até lá pegar o nº do edifício em questão para a denúncia, porque da Av. Vieira Souto não se percebia absolutamente nada, nem o barulho da motosserra…).

A motosserra parou na hora. Pude ver da minha janela a empresa se retirando. O primeiro round estava ganho, pois eles não tinham em seu poder a licença de poda, obrigatória no caso. No dia seguinte a Patrulha Ambiental me telefonou dizendo que o prédio conseguira a licença – e eles não podiam impedir a poda das árvores, somente monitorar se essa poda ficava nos limites do razoável, sem comprometer a sobrevivência das árvores. Alexandre voltou realmente à tardinha, segundo meu porteiro, para verificar o trabalho. Embora já tivessem cortado toda a copa de mais uma árvore no final da manhã e uma imensa clareira agora devassasse grande parte dos apartamentos de dois prédios, no lugar dos pássaros e micos que enchiam de paz nossos cansados olhos dos computadores, várias árvores de Ipanema, com certeza centenárias, foram então preservadas – pelo menos por enquanto.

“De nossa janela tínhamos uma bela vista arborizada que, por muito pouco, escapou de ser totalmente abatida pela sanha de uma motosserra. Ganhou-se uma batalha, mas não a guerra. Purificado pelas folhas de dadivosas amendoeiras e outras árvores centenárias, esse oásis faz parte do abençoado trecho que liga Copacabana a Ipanema – o Arpoador – e funciona como um verdadeiro pulmão da área. Ajudando a manter o ecossistema, serve de morada a pássaros, micos e outros bichinhos”, diz a proprietária do apartamento que eu então alugava, a médica Anna Saraiva, hoje moradora de Teresópolis – RJ e adepta de práticas agroecológicas – há três anos se dedica ao cultivo de plantas alimentícias e medicinais em área urbana, valendo-se da homeopatia nesse manejo.

Atualmente, para grandes podas (como esta), é necessário licença – quer dizer, é o caminho correto, muita gente não tira mesmo. Aí, se denunciado ao órgão competente, multam. O Parques e Jardins dá a relação de empresas credenciadas para fazer a poda dentro dos critérios corretos de preservação das espécies.

Para quem se interessar pelo histórico completo, o que consegui levantar é que a síndica do prédio nº 8 resolveu contratar o serviço para não correr o risco de ter que pagar indenização ao meu prédio, caso as árvores destruíssem o telhado da garagem pela queda de grandes galhos em temporais. Acontece que eu soube, por reunião de condôminos, que o telhado dessa garagem ia ser trocado em breve, pois estava realmente velho e podre. Ele é que precisava ser renovado, no lugar de retirar as copas de árvores que vão levar dezenas de anos para recuperar seu tamanho – se conseguirem! Através de alguns vizinhos mais antigos, também descobri que o ‘sonho’ do nosso síndico era justamente construir mais um andar de garagem (ela é térrea atualmente), e as copas das árvores dos prédios vizinhos, que avançavam pelo telhado da garagem, ‘atrapalhavam’!

O que resta é fazer pressão SIM, senão, aos pouquinhos, vão retirando as árvores de todo o espaço urbano com a desculpa de não comprometer o patrimônio construído; e vão construindo mais e mais garagens, na contramão de todo o bom senso e dos investimentos atuais que visam o equilíbrio do meio ambiente com o fator urbano, apontando para a crescente emergência do transporte alternativo: bicicletas, metrô, ônibus, de preferência nesta ordem…

Zé Claudio Castanheira se considerava filho da floresta. Emocionado, ele dizia: “essas árvores que tem na Amazônia são minhas irmãs. Quando eu vejo uma árvore dessas em cima de um caminhão indo para a serraria, me dá uma dor, é mesmo que eu estar vendo um cortejo fúnebre levando o ente mais querido que você tem, porque é vida, é vida pra mim que vivo na floresta, é vida pra todos vocês que vivem nos centros urbanos, porque ela está lá purificando o ar, ela está lá dando retorno pra nós…”.

Patrick Howlett-Martin, diplomata francês aqui no Rio, diz sobre o assunto: “Tive o mesmo problema no ano passado e não sabia a quem recorrer… são moradores, síndicos e porteiros que decidem cortar árvores sem o mínimo constrangimento. Tenho um pequeno apartamento na Rua Francisco Otaviano, no nº 240, que dá nesse corredor verde. Como, na época, o porteiro do prédio ao lado cortou árvores e grandes galhos do jardim dos fundos do edifício, fui averiguar quais as razões da mutilação de espécies tão sadias. Pois o estrago foi realizado por ele num domingo, cumprindo ordens do próprio síndico, que mandou cortar as árvores. ‘Coincidentemente’, em janeiro deste ano, durante uma reunião de condomínio no mesmo prédio, o síndico propôs fazer um estacionamento asfaltado no lugar do jardim, para isso tendo que cortar definitivamente as árvores centenárias do espaço. Tal proposta, felizmente, não obteve quorum e foi rechaçada, mas temo que o assunto não tenha sido enterrado de vez. É assustador…”.

Hoje, ao escrever este artigo, fui checar os telefones que, em fevereiro último, me apoiaram tanto no que considerei ser a minha responsabilidade – queria disponibilizá-los a todos. Com surpresa, os números diretos do Parques e Jardins, da Ouvidoria da Comlurb e, principalmente, da eficiente Patrulha Ambiental, foram todos substituídos e centralizados pelo número 1746, uma Central única da Prefeitura. Ao invés da atenciosa Janaína, entra o serviço eletrônico e você deve escolher a opção 3 – então uma atendente anotará sua denúncia, acionando a Patrulha Ambiental.

Quis localizar Alexandre, porque gostaria de entrevistá-lo. A atendente me forneceu o telefone da Secretaria de Meio Ambiente, à qual a equipe da Patrulha se reporta: (21)2976-3149. Ninguém atendeu a minhas inúmeras tentativas. Tomara que a eficiência do atendimento direto de quatro meses atrás não seja perdida e a Central atue com mais agilidade ainda, acionando os patrulheiros da vez.

Mas, me deu saudades da dupla Alexandre-Janaína…



Tags: ,




Corte de árvores deixa São Paulo menos verde

Luana Caires
07.07.2011

Funcionários da prefeitura cortam árvore na Praça Marechal Deodoro, foto: Cátia Toffoletto

Enquanto novos imóveis são construídos a cada esquina e mais arranha-céus figuram nos cartões-postais de São Paulo, as árvores da cidade pedem socorro. Somente de janeiro a abril deste ano 12.187 delas foram derrubadas, de acordo com um levantamento feito pela Comissão do Verde e Meio Ambiente da Câmara Municipal. Para se ter uma ideia do tamanho do estrago, é como se 80% da área do Parque do Ibirapuera, na zona sul do município, tivesse sido desmatada.

Segundo o estudo, todos os cortes foram autorizados pela Prefeitura –  grande parte para dar lugar a prédios, conjuntos habitacionais e obras de infra-estrutura. Sérgio Guimarães Pereira Júnior, diretor da Vallor Urbano, empresa especializada no segmento de urbanização, pondera que as licenças para o desmatamento preveem compensações: para cada árvore retirada, pelo menos três novas mudas devem ser plantadas.

Mas, como aponta a reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, a obrigatoriedade de replantio é ignorada pelas empresas ou realizada de maneira irregular, sem que haja nenhum tipo de fiscalização. Além disso, outro problema é que, na maioria das vezes, as mudas são replantadas em áreas distantes do local que foram retiradas. Com isso, a região de onde foram suprimidas áreas verdes sofre, efetivamente, uma perda ambiental.

Pereira Júnior concorda que a simples reposição de mudas não é suficiente como compensação ambiental. “Plantar novas árvores sem um planejamento adequado é apenas uma forma de aliviar culpas”, afirma o executivo. “O mais importante é que haja um programa de conservação ambiental com o envolvimento da comunidade local”, completa.

Campanha de arborização

Ainda que não possam resolver o problema de falta de verde em São Paulo, os cidadãos podem contribuir para tornar pelo menos a sua rua, praça ou bairro mais arborizados. Para isso, a Secretaria do Verde e Meio Ambiente do município mantém uma campanha de incentivo permanente à arborização, que oferece gratuitamente uma muda para ser plantada em endereços da capital paulista. Basta fornecer algumas informações sobre o local que receberá a planta.  A secretaria também disponibiliza uma cartilha com orientações e dicas sobre como semear e manter uma árvore na cidade.

 

Veja também:

– No meio do caminho havia outra árvore

– Maringá inova na arborização do espaço urbano




Tags: , ,