São Paulo: medicamentos ganham programa Descarte Consciente

Luana Caires
30.03.2011

Não é balinha doce, SP compra cerca de 170 milhões de medicamentos por mês, foto: Pranjal Mahna

É inevitável. Ao fim de um tratamento de saúde é comum sobrar medicamentos e aí vem a pergunta: o que fazer com os eles? A resposta é importante. Segundo a Anvisa, só na capital paulistana são vendidos no varejo 170 milhões de produtos farmacêuticos por mês. Faz pouco tempo, remédios vencidos ou em desuso iam parar no lixo comum ou no vaso sanitário, hábito que pode causar a contaminação da água e do solo por substâncias químicas. Mas, desde o final do ano passado, foi inaugurado o programa Descarte Consciente.  Aprovado pela Secretaria de Saúde da cidade de São Paulo, o projeto é criação da Brasil Health Service (BHS), empresa de tecnologia e inovação em saúde, em parceria com a rede Droga Raia e a Medley. Ele já conta com 13 postos de recolhimento de fármacos na cidade de São Paulo. Além disso, as Unidades Básicas de Saúde da Prefeitura de São Paulo também recebem medicações fora de uso. Os pontos de coleta estão em expansão. Na capital, A rede Pão-de-Açúcar e a Drograria São Paulo estão criando seus próprios programas. Fora dela, o Descarte Consciente já tem 3 pontos em Limeira (SP) e, em breve, deve chegar a Belo Horizonte e Porto Alegre. A prefeitura do Rio de Janeiro também foi procurada, mas até agora não manifestou interesse.

Todos os postos de recolhimento são equipados com a Ecomed, uma estação coletora de resíduos de medicamento. A estação oferece três compartimentos de depósito: um para pomadas e comprimidos, um para líquidos e sprays e outro para caixas e bulas, que devem ser rasgadas antes do descarte. Os coletores têm aberturas do tipo boca de lobo e portas com fechamento a chave, impedindo a retirada do material depositado. Antes de fazer o descarte, o consumidor registra o tipo do medicamento que deverá depositar por meio do leitor de código de barras da Ecomed, sistema que permite o rastreamento de remédios controlados evitando que esse tipo de medicação seja desviada e revendida ilegalmente.

Estação de recolhimento Ecomed

Os dados registrados na máquina são usados para a elaboração do preservômetro – um índice que permite ao consumidor acompanhar quanto foi recolhido e quais os benefícios dessa coleta para o meio ambiente. De acordo com estimativas do pesquisador e sócio da BHS, Joe Roseman, cada quilo de medicamento recolhido deixará de contaminar 450 mil de litros de água e, segundo projeções do especialista, cerca de 186 toneladas devem ser coletadas no primeiro ano de funcionamento do programa.

É importante lembrar que mesmo as embalagens primárias – aquelas que entram em contato com a medicação – são consideradas como resíduos perigosos, já que podem ter sido contaminadas, e devem ser descartadas corretamente junto aos remédios.

Da Ecomed, o material é levado pelo Departamento de Limpeza Urbana (Limpurb), órgão gerenciador dos serviços prestados na cidade de São Paulo, para a destinação final correta. Medicamentos vencidos e produtos químicos são enviados para usinas de incineração certificadas, enquanto seringas e agulhas são encaminhadas para uma usina de tratamento para serem descontaminadas e, em seguida, são mandadas para aterros especiais.

Urnas coletoras das farmácias do grupo Pão de Açúcar, foto: Divulgação

O Descarte Consciente já chegou a Limeira, no interior de São Paulo,  e sua implantação em Belo Horizonte e Porto Alegre já está sendo negociada. O número de postos de descarte ainda deve crescer bastante. Segundo o diretor-presidente da BHS, José F. Agostini Roxo, a rede Droga Raia pretende alcançar a marca de 200 lojas equipadas com a Ecomed. Espera-se que o programa chegue também ao Rio de Janeiro, mas ainda não foi possível chegar a um acordo com os gestores da capital carioca. “No Rio de Janeiro não é feito esse tipo de coleta e, ainda assim, a prefeitura está nos dizendo que não vai se comprometer com o recolhimento e a destinação final do material”, afirma Roxo.

Outras redes já têm projetos-piloto ou pensam em iniciá-los. O Grupo Pão de Açúcar, em parceria com a Eurofarma, inaugurou postos para descarte de medicamentos no fim de 2010 em cinco drogarias dos seus supermercados. Se esse projeto piloto for bem sucedido, o serviço deve ser estendido às 154 lojas do grupo que têm farmácias em suas instalações. Já a Drogaria São Paulo, líder no varejo farmacêutico no país, já está em negociação com o Centro de Vigilância Sanitária de São Paulo para oferecer o recolhimento de remédios em suas lojas.

 

Veja também: 80% dos antibióticos vendidos nos EUA são destinados a animais

 



Tags: , ,

9 respostas para “São Paulo: medicamentos ganham programa Descarte Consciente”

  1. Fátima Chaves disse:

    Quando em comprimidos e drágeas, antes de depositá-los nos postos, é melhor triturá-los. Do jeito que a coisa anda, será que algum espertinho não irá reembalá-los, colocar uma nova validade e recolocá-lo no mercado?

    • joe disse:

      Fátima, estas ECOMEDs, que podem ser encontradas nas Droga Raia de São Paulo, capital, Limeira, Rio de Janeiro e Niterói (estas duas últimas a partir de Maio), são equipadas com urnas boca de lobo, que torna impossível o acesso ao medicamento após ter sido descartado. Existe um sistema informatizado na ECOMED que registra todos os medicamentos descartados, suas apresentações e o peso total da bombona que, uma vez cheia, é lacrada pelo farmacêutico, pesada e, através de rede sem fio, um manifesto é enviado automaticamente para a empresa (licenciada para coleta deste tipo de resíduo), que faz a coleta nas farmácias e leva tudo, dependendo do local, para incinerador ou aterro sanitário classe I.

  2. Daniela disse:

    como faco para adquirir esse posto de coleta em minha drogaria?
    parabens pela iniciativa

  3. Telma G Scalco disse:

    Boa Noite, sou de Minas Gerais, como faço para adquirir esse posto de coleta em minha drogaria?

  4. ELIZANGELA disse:

    SOU ALUNA DE ENFERMAGEM DO 8 SEMESTRE E GOSTARIA DE SABER O QUE DEVO FAZER PARA A FACULDADE EM QUE EU ESTUDO( ESTÁCIO) SE TORNE UM ECO PONTO DE RECOLHIMENTO DE MEDICAMENTO EXPIRADOS OU DESCARTADOS.

  5. Roselene disse:

    gostaria de saber como adquirir pois aqui em Cuiaba não temos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.