Corte de árvores deixa São Paulo menos verde

Luana Caires
07.07.2011

Funcionários da prefeitura cortam árvore na Praça Marechal Deodoro, foto: Cátia Toffoletto

Enquanto novos imóveis são construídos a cada esquina e mais arranha-céus figuram nos cartões-postais de São Paulo, as árvores da cidade pedem socorro. Somente de janeiro a abril deste ano 12.187 delas foram derrubadas, de acordo com um levantamento feito pela Comissão do Verde e Meio Ambiente da Câmara Municipal. Para se ter uma ideia do tamanho do estrago, é como se 80% da área do Parque do Ibirapuera, na zona sul do município, tivesse sido desmatada.

Segundo o estudo, todos os cortes foram autorizados pela Prefeitura –  grande parte para dar lugar a prédios, conjuntos habitacionais e obras de infra-estrutura. Sérgio Guimarães Pereira Júnior, diretor da Vallor Urbano, empresa especializada no segmento de urbanização, pondera que as licenças para o desmatamento preveem compensações: para cada árvore retirada, pelo menos três novas mudas devem ser plantadas.

Mas, como aponta a reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, a obrigatoriedade de replantio é ignorada pelas empresas ou realizada de maneira irregular, sem que haja nenhum tipo de fiscalização. Além disso, outro problema é que, na maioria das vezes, as mudas são replantadas em áreas distantes do local que foram retiradas. Com isso, a região de onde foram suprimidas áreas verdes sofre, efetivamente, uma perda ambiental.

Pereira Júnior concorda que a simples reposição de mudas não é suficiente como compensação ambiental. “Plantar novas árvores sem um planejamento adequado é apenas uma forma de aliviar culpas”, afirma o executivo. “O mais importante é que haja um programa de conservação ambiental com o envolvimento da comunidade local”, completa.

Campanha de arborização

Ainda que não possam resolver o problema de falta de verde em São Paulo, os cidadãos podem contribuir para tornar pelo menos a sua rua, praça ou bairro mais arborizados. Para isso, a Secretaria do Verde e Meio Ambiente do município mantém uma campanha de incentivo permanente à arborização, que oferece gratuitamente uma muda para ser plantada em endereços da capital paulista. Basta fornecer algumas informações sobre o local que receberá a planta.  A secretaria também disponibiliza uma cartilha com orientações e dicas sobre como semear e manter uma árvore na cidade.

 

Veja também:

– No meio do caminho havia outra árvore

– Maringá inova na arborização do espaço urbano




Tags: , ,

2 respostas para “Corte de árvores deixa São Paulo menos verde”

  1. Fábio Olmos disse:

    Há outros problemas relacionados. As novas árvores plantadas sofrem grande mortalidade porquê as covas são preparadas de maneira inadequada, com tamanho e profundidade insuficiente e sem adubação e substrato correto. Isso seria mitigado se usassem composto orgânico e lodo de esgoto (como em Brasília), que acaba indo para os aterros sanitários da cidade. Além disso há o pendor por fazer plantios durante a estiagem, as mudas morrendo por falta de água. Isso aconteceu com 9 de 10 árvores que vi plantadas ano passado na Praça Alfredo Issa, no Centro (e até hoje não repostas). Ou se faz o plantio durante as chuvas ou se irriga com água de reúso durante algumas semanas pós plantio. As praças também sofrem com manejo sofrível, como corte de grama até as raízes, expondo o solo e favorecendo a erosão (deveriam deixar 4 cm) e a neura da varrição de folhas caídas que cria amplas áreas de solo nu e compactado, como visível na Praça da República. Isso sem falar na escolha de espécies plantadas. Os portadores de CREA que cuidam das áreas verdes de São Paulo parecem ter excesso de amadorismo e muito pouca noção do que deveriam fazer.

  2. NatanaelSSoares disse:

    Pergunta: Quem é o secretario do verde e meio ambiente de São Paulo. Tá dormindo em pé igual o prefeito!!!

Deixe uma resposta para NatanaelSSoares Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.